MAXI AGRO
Canola como fonte de proteína? É possível!

 

"Já que agora sabemos a causa do gosto amargo, é muito mais fácil desenvolver estratégias de melhoramento".

 

Um estudo realizado pela Universidade Técnica de Munique indicou que a canola não contém apenas óleo, mas também proteína de alta qualidade. Nesse cenário, de acordo com Thomas Hofmann, pesquisador da Universidade, este é um primeiro passo para o desenvolvimento de canola para o suprimento de proteína humana. 

Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), a demanda por alimentos deverá dobrar em 2050 devido à crescente população mundial. "Gargalos são esperados neste contexto, particularmente no fornecimento de proteína", diz Thomas Hofmann, 

Ele, que também é diretor do Instituto Leibniz de Biologia de Sistemas Alimentares, afirma que é importante desenvolver novas fontes de proteína vegetal para a nutrição humana e a canola é uma boa fonte local. Isso porque cerca de 1,12 milhão de toneladas de proteína bruta são produzidas anualmente a partir de óleo de canola mundialmente. 

Embora os fazendeiros tenham usado por muito tempo esse chamado “bolo de canola” como alimento proteico para animais, ele não tem desempenhado um papel como fonte de proteína na nutrição humana até o momento. Uma razão é que as substâncias acompanhantes contidas no grão prejudicam fortemente o sabor dos produtos de proteína obtidos. Estas substâncias incluem, por exemplo, constituintes secundários de sabor muito amargo. Hofmann e sua equipe, portanto, analisaram a questão de quais substâncias amargas causam o desagradável sabor. 

"Já que agora sabemos a causa do gosto amargo, é muito mais fácil desenvolver processos tecnológicos adequados ou estratégias de melhoramento que possam ser usadas para produzir alimentos saborosos e ricos em proteínas da canola", disse Corinna Dawid, coautora do estudo. 

Fonte: Agrolink